quinta-feira, 10 de março de 2011

Carnaval - Um dia sim, um dia não

Desde domingo (27/02) o vento predominante aqui na região de Florianópolis é de sul-sudeste até leste. E a previsão é de que se mantenha assim pelo menos até dia 17. Isto em pleno verão. De chuva nem é bom falar. Chove todo santo dia, como agora enquanto escrevo. Ao menos no carnaval foi um dia sim, um dia não. Isto é um dia lindo sem chuvas ou com chuvas só no inicio do dia e um dia de chuvas esparsas por todo o dia. Quer dizer esparsos os períodos sem chuva. O problema é que os sites meteorológicos previam bastante chuva para os dias que foram de sol e poucas chuvas para os que acabaram por ter muita.

Trouxe o Tinguá, com meu filho Gabriel, na terça-feira (01/03) para a sede centro do ICSC-VI para limpeza geral. Na sexta o Tinguá voltou para a água. O sábado amanheceu chuvoso e protelei levá-lo para Jurerê para a tarde, quando o tempo abriu, mas aí a "lombeira" decorrente do preparo do churrasco comemorativo ao aniversário do Gabriel, na sexta, falou mais alto. O domingo amanheceu chuvoso mas a disposição já era outra. Depois de esperar a maré subir pois o Tinguá estava com 30 cm de quilha enterrados na lama, no pier norte, rumei sozinho para Jurerê. Vento SE fraco e maré contra, ainda com algumas chuvas esparsas, cheguei em Jurerê por volta das 14 horas. Justamente quando iniciava o desfile dos barcos do CarnaMar, organizado pelo clube. Mesmo sozinho e sem uma gota de álcool entrei no final da fila. Fraco nesta primeira edição com 12 veleiros e outras tantas lanchas, mais alguns jet-skys, muitos tendo entrado na brincadeira por que estavam ´por ali mesmo, o evento promete pegar para os próximos anos.

A segunda (ao contrário das previsões) foi maravilhosa e fomos cedo para o Magalhães, onde fizemos churrasco com minha filha, genro, netos e meu sobrinho Tassinho com a n
amorada, que vieram de lancha. Dormimos lá na companhia do veleiro Iwa (Brasília32) e da " escuna maranhense" (que não sei o nome) do italiano André. A noite rolou outro churrasco, regado a bons vinhos, no Iwa, com o Marcos e esposa de anfitriões. Choveu bastante a noite e o dia amanheceu com cara de poucos amigos. Queria ir ao Arvoredo levar os meninos para fazerem snorkel, pois a água devia estar muito limpa com tantos dias de ventos do quadrante sul, mas a previsão do BuoyWeather não era animadora no quesito mar.

Mesmo assim suspendemos a âncora antes das oito horas e rumamos para as pontas das Canas e do Bota, numa gostosa velejada com vento S de 10-14 nós. O mar pareceu bem melhor do que a previsão mas o céu estava muito carregado e logo a Ilha do Arvoredo desapareceu com a chuva. Demos meia volta na Praia da Lagoinha e resolvemos rumar para nossa poita em Jurerê e ir para casa. Deixamos o Tinguá justo no intervalo entre uma chuvarada e outra e fomos curtir o final do feriado em casa. Bem, a quarta-feira de cinzas foi maravilhosa. Mas aí a família já tinha vários compromissos...

Um comentário:

ribas_liliane disse...

Grande Luiz.
Esse carnaval deixou saudades. Valeu o churrasco. Até a próxima e bons ventos.
Marcos (veleiro IWA).