sexta-feira, 4 de julho de 2008

Problemas na Travessia a Ilhabela

,tChegamos muito bem ontem (03/07), às 8:20h da manhã, ao Yatch Clube de Ilhabela depois de 39 h para percorrer as 228 mn desde o Capri Iate Clube, em São Chico, para participarmos da RISW2008.

Tinguá no pier norte do YCI, ainda na "versão" cruzeiro.

Mas, o inicio foi com problemas de sujeira no diesel do nosso tanque de inox. Com o Tinguá pronto para zarpar no pier do ICSC - acompanhado nesta travessia por Raphael Barp Garcia, que faz a proa nas regatas, e Roberto da Rocha Rodrigues, estreante em travessias - o motor apagou. Mexe daqui e de lá detectamos entupimento da mangueira que transporta o combustível do tanque para o filtro Rakor. Problema solucionado, filtros substituídos, saímos às 14:40h. Próximo às duas da madrugada o motor parou de funcionar. Com vento sul favorável continuamos velejando até clarear o dia para tentarmos resolver o problema. Ao amanhecer, decidi antes de mais nada mudar o rumo para São Francisco do Sul, naquela hora velejando com vento fraco de través, para fazer uma limpeza geral no sistema de combustível. Estávamos a 47 mn da Ilha da Paz, na entrada da Baía da Babitonga. Novamente não vinha diesel do tanque. Após cerca de duas horas de tentativas e luta contra o mareio, o novato Roberto (que não mareou) fez uma "chupetinha" na mangueira e o "líquido milagroso" voltou a correr.

Chegamos ao Capri Iate Clube às 19 horas com o motor sendo devidamente alimentado. Após alguns contatos optei pela vinda do Elói e Cristian, do Armazém Naval de Fpolis, que são autorizados Yanmar, para solucionar o problema. Retirarmos o diesel, o tanque - é difícil mas êle sai pela tampa do paiol de popa - limpamos, lavamos com querosene, substituímos novamente o Rakor que estava imundo com "cobras e jacarés". Reiniciamos nossa viagem, deixando o Capri, onde fomos muito bem recebidos, às 17:20 h do dia 01/07 (terça).

Roberto aproveitou a parada em São Chico e comprou um estoque de linhas e iscas artificiais, fissurado em fisgar alguns peixões em mar aberto. A expectativa e a torcida eram grandes até que na tarde do dia 02 fisgamos o tal peixe. Bem, o peixe não brigava muito mas era puxado com cuidado pelo Rapha, não não era um peixe, talvez uma ave, não era um pinguin...Felizmente não se feriu muito e foi facilmente devolvido ao mar.

Raphael soltando o pinguin do anzol.

Para não passar em branco, ao amanhecer do dia 03/07 entrando no Canal de São Sebastião fisgamos um peixe-espada.

Rapha e Roberto e o peixe-espada.

(Veja vídeo do pinguin aqui).